Gotinhas no oceano

pessoando entre milhões de seres humanos

Amor em potencial

– A gente seria um ótimo casal. Eu sei disso. A gente tem tipo, essa energia potencial para um relacionamento de filme. Só esperando pra virar energia cinética. – Tirando aquele pequeno empecilho de ele estar entrando na academia militar, e você ser contra a polícia militar. Além de ser em outra cidade. – Eu seeeeiii. E tem a família e o jeito travado dele e todas as coisas em que pensamos diferente MAS A GENTE SERIA UM ÓTIMO CASAL! POXA VIDA. Estamos andando em direção à sorveteria num dia quente em Pinheiros e é a décima vez que a Alê tem que me ouvir reclamar desse cara. Alê é uma paulistana nata que já trabalhava na empresa há um ano quando eu comecei meu estágio, e conhece os melhores estabelecimentos da região. Quando digo melhores entenda-se mais baratos. Viramos amigas rapidamente. – Eu simplesmente sei. Às vezes duvido de mim e da minha sanidade, mas quando estamos juntos ou até por mensagem no whatsapp eu sinto que ele pensa em mim mais do que como amiga. Mas como a gente é amigo há muito tempo, e já estabelecemos que não sentimos mais do que amizade, ele não avança o sinal. – Nem você. – Nem eu. – concordo, desapontada. – Mulher, você tá é perdendo tempo. Deixa de ser boba e beija ele logo. – Não, velho. Não dá pra ser assim. A gente é amigo desde 2007! Quando eu o conheci ele namorava a minha atual melhor amiga. E tomava roacutan pra espinha, que deixa a boca seca. Ele vivia passando manteiga de cacau… – Irrelevante. – Ela me corta da viagem na memória. – Tá, essa parte é – digo, rindo. – Mas a questão é: por mais que eu sinta atração, não consigo me mover um centímetro nessa direção porque é apenas MUITO ESTRANHO! Alê está colocando cauda quente de chocolate sobre o sorvete, que já tem M&Ms, marshmallows e jujubas. Eu, como sempre, entupo o potinho com farofa de castanha, e finalizo com dois canudinhos comestíveis. Ela olha para mim com simpatia e suspira. Nas dez vezes que tivemos essa conversa, sempre chegamos nesse ponto em que não tem mais o quê sugerir. Ela começa a contar da nova modalidade que ela e o boy experimentaram na cama e o assunto morre. —————————- Comecei a duvidar da pureza de meus sentimentos fraternais por Cássio no dia 1º de janeiro de 2013. Naquelas férias eu e ele passamos muito tempo juntos – ele estava morando a um quarteirão da minha casa, e estávamos numa fase sem muitos outros amigos. Ele ia em casa comer pizza comigo e com a minha mãe, me acompanhava até o mercado e ia junto passear com a Belusca (minha poodle toy). Na véspera do ano-novo a gente ainda estava cogitando passar a virada juntos, mas como não tinha lugar reservado e ele ia trabalhar até tarde, eu decidi ir para uma festa de uma amiga do colégio. Enchi a cara. Fazia tempo que eu não bebia tanto, e as opções na festa eram tantas que não quis deixar nenhuma passar. Resultado: comecei o ano com a pior ressaca da minha vida. Depois de passar a manhã abraçada com a privada, tomei um Dramin e desmaiei na cama. No meio da tarde, acordo com um beijo na minha testa. Cássio tinha passado para me dar um oi, e desejar feliz ano-novo. Olhei para ele contra a luz baixa porém clara das três da tarde, e sorri. Ele tirou sarro do meu estado e foi embora, e eu fiquei na cama com um calor no coração e muita confusão na cabeça. [continua]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em abril 17, 2015 por em BEDA, Ficção?.
PODE GRITAR

A Literatura dá voz às vítimas de abuso sexual.

{café e rivotril}

quando as confissões se libertam

coisas desiguais.

on the road, coisas desiguais

Eu, tu, elas

Feminismo na prática

Crias da Terra

Magia natural, tarot e amor

%d blogueiros gostam disto: